Arquivo

Archive for março \26\UTC 2010

Kubica surpreendeu e liderou 1ª sessão na Austrália

Polonês da Renault foi o único a virar na casa dos 26s; Rosberg é segundo

O polonês Robert Kubica, da Renault, liderou os tempos da primeira sessão de treinos livres para o GP da Austrália, realizado no circuito de Melbourne. Com 1min26s927, ele superou Nico Rosberg, da Mercedes, 0a199 mais lento, e foi o único a virar na casa dos 26.

Jenson Button fez a terceira melhor marca, seguido por Felipe Massa, que teve atuação discreta com sua F10. Lewis Hamilton, que encabeçou grande parte das atividades, fez o sétimo tempo no final, sendo superado por Sebastian Vettel e Fernando Alonso.

O heptacampeão Michael Schumacher mais uma vez foi superado por seu parceiro na Mercedes e ficou apenas com o 12º tempo. Rubens Barrichello, da Williams, não teve um treino muito expressivo e foi apenas o 16º. Dentre os novatos, Lucas di Grassi, da Virgin, e Bruno Senna, da Hispania, foram 21º e 22º, respectivamente.

Os brasileiros, aliás, foram os responsáveis por abrir o marcador de tempos em Melbourne. Bruno Senna foi o primeiro a ir à pista, seguido por Di Grassi. No duelo das equipes novatas, Bruno levou a melhor, com 1min37s969, 2s à frente de Lucas.

Na sequência, Karun Chandhok, Heikki Kovalainen e Lewis Hamilton marcaram tempos. O inglês da McLaren de cara baixou a marca para 1min28s680. Na Force India, o inglês Paul di Resta guiou o VR-01 no lugar de Adrian Sutil, como parte de um projeto da equipe de dar oportunidade ao piloto de testes nas atividades de sexta-feira.

Kamui Kobayashi, da Sauber, provocou a primeira bandeira vermelha das atividades ao atropelar um cone e sair da pista, o que deixou resquícios de asa no asfalto. No retorno, Jenson Button, parceiro de Hamilton na McLaren, assumiu a liderança na tabela de tempos, com 1min27s482, seguido por Nico Rosberg, da Mercedes.

Definitivamente em um dia não muito favorável, Kobayashi provocou a segunda bandeira vermelha. Entretanto, desta vez a culpa não foi sua, já que a asa dianteira de seu C29 se soltou, fazendo com que o piloto fosse parar na área de escape e abandonasse os treinos livres.

A 16 minutos para o final da sessão, Robert Kubica, da Renault, deu uma volta voadora e quebrou o domínio da McLaren, assumindo a ponta dos tempos com 1min27s249, que, na sequência, foi baixado para 1min26s927. Em atuação discreta, a Ferrari de Fernando Alonso e Felipe Massa figurou na lista dos dez primeiros em grande parte do treino, junto com a Red Bull.

Outra atuação apagada foi a da Williams, com o brasileiro Rubens Barrichello. Ele e seu companheiro de equipe, Nico Hulkenberg, figuraram em grande parte das atividades entre a 15ª e 16ª colocação, bem perto das equipes novatas, que ainda buscam o melhor acerto para o carro.

No final da primeira sessão em Melbourne, Kubica confirmou sua superioridade na pista e finalizou as atividades como o único a virar na casa dos 26s. Massa melhorou seu desempenho e anotou o quarto melhor tempo, atrás de Button e Rosberg, superando Hamilton, que ficou com a sétima colocação.

Treino livre 1:

1°. Robert Kubica (POL/Renault), 1min26s927 ( 22 voltas )
2°. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 0s199 ( 18 )
3°. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), a 0s555 ( 22 )
4°. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 0s584 ( 18 )
5°. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), a 0s759 ( 23 )
6°. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 0s820 ( 21 )
7°. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), a 0s866 ( 22 )
8°. Sebastian Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), a 1s087 ( 21 )
9°. Vitaly Petrov (RUS/Renault), a 1s187 ( 25 )
10°. Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India-Mercedes), a 1s265 ( 18 )
11°. Paul Di Resta (ING/Force India-Mercedes), a 1s610 ( 25 )
12°. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), a 1s623 ( 19 )
13°. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari), a 1s645 ( 21 )
14°. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 1s756 ( 22 )
15°. Pedro de la Rosa (ESP/Sauber-Ferrari), a 2s538 ( 13 )
16°. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth), a 2s785 ( 18 )
17°. Nico Hulkenberg (ALE/Williams-Cosworth), a 3s322 ( 26 )
18°. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), a 4s661 ( 5 )
19°. Jarno Trulli (ITA/Lotus-Cosworth), a 4s725 ( 13 )
20°. Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Cosworth), a 4s727 ( 26 )
21°. Lucas Di Grassi (BRA/Virgin-Cosworth), a 5s904 ( 25 )
22°. Bruno Senna (BRA/Hispania-Cosworth), a 6s474 ( 24 )
23°. Karun Chandhok (IND/Hispania-Cosworth), a 7s324 ( 19 )
24°. Timo Glock (ALE/Virgin-Cosworth), a 7s998 ( 8 )

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google
Anúncios

Massa: “Problema nos motores não é sério”

Piloto da Ferrari explica o que houve no Bahrein e diz o que muda na Austrália

Apesar de ter conquistado a segunda colocação no GP do Bahrein, etapa que abriu a temporada 2010 da F-1, o piloto Felipe Massa sofreu com problemas no motor de sua F10, o que o obrigou a poupar combustível nas voltas finais.

Nesta quinta-feira, em Melbourne, onde os pilotos se preparam para o GP da Austrália, o brasileiro explicou o que houve no motor e disse que o problema ainda não foi totalmente resolvido, mas não chega a incomodar por ora.

Realmente eu tive um problema durante a corrida inteira. A temperatura no meu carro estava muito alta e isso fez com que desde o começo eu usasse uma carburação que precisava de muito mais gasolina, porque isso fazia a temperatura baixar. Era certeza que eu ia tirar o pé nas últimas 25 voltas. A hora de tirar o pé foi depois da primeira parada, senão eu não iria chegar ao final da corrida, explicou.

Problema de consumo a gente não tem. Melhoramos muito do ano passado para esse ano, completou Massa, dizendo que não procedem as informações da imprensa italiana de que a Ferrari já trabalharia uma versão “B” da F10. É lógico que tivemos um problema. Não foi uma quebra. A gente tem oito motores para usar o campeonato inteiro. Isso quer dizer treinos de sexta e sábado. Aqui, vamos usar o mesmo motor, então isso não é um problema sério e realmente acho que fizemos bem trocar o motor no Bahrein.

Massa comentou o desempenho dos carros da Ferrari no Bahrein e disse que com certeza o resultado foi melhor do que o esperado. Entretanto, ele reconheceu que a Red Bull estava mais forte na disputa.

Não fomos os mais rápidos na classificação. Se o [Sebastian] Vettel não tivesse um problema, ele venceria, com certeza, porque o ritmo dele era muito bom. Esse é mais um motivo que temos para trabalhar e ter o melhor carro dentro da pista. Na primeira corrida acho que a Red Bull esteve melhor. A cada corrida tem equipe que traz uma peça nova no carro, muda o jeito de usar pneus, etc., mas acho que a gente tirou mais do que podíamos na corrida.

Sobre Michael Schumacher, seu amigo e que neste ano retornou à F-1 após três anos aposentado, Massa diz que ainda é um pouco cedo para dizer se ele tem ou não a mesma capacidade de antes e que não se pode dizer que ele foi superado por Nico Rosberg logo de cara.

Foi a primeira corrida do ano, em uma pista onde ninguém andou na pré-temporada. O Rosberg é um excelente piloto, pode ser mais rápido que o Michael ou que qualquer um. É muito difícil um piloto como ele perder o talento, mas ele ficou três anos fora. As coisas podem melhorar durante as corridas.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Kristensen será o comissário da FIA em Melbourne

Dinamarquês ocupa posto que foi do tetracampeão Prost no GP do Bahrein

Depois de Alain Prost no Bahrein, a FIA convocou outro piloto para exercer a função de comissário no GP da Austrália, segunda etapa do Mundial de F-1, marcada para este domingo.

A entidade anunciou que o dinamarquês Tom Kristensen, octacampeão das 24 Horas de Le Mans, será o consultor do grupo de comissários da corrida em Melbourne.

Kristensen correu de DTM até o ano passado, e, em 2010, se concentrará em algumas etapas da Le Mans Series, além da tradicional prova de 24 horas sempre competindo pela montadora alemã Audi.

De acordo com a imprensa especializada, os próximos nomes que estão na lista de espera são Damon Hill, Nigel Mansell, Emerson Fittipaldi, Johnny Herbert e Alexander Wurz.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Barrichello: “Vale a pena esperar 3 ou 4 corridas”

Piloto da Williams comenta “F-1 chata” e revela o que mudaria na categoria

Após o GP do Bahrein, não se falava em outro assunto que não fosse a disputa monótona que os espectadores presenciaram em Sakhir, devido à falta de ultrapassagens e de emoção. Para Rubens Barrichello, piloto da Williams, o mais correto no momento é esperar mais algumas corridas para ver realmente a situação das disputas.

Não há condição de voltar o reabastecimento, porque agora temos um tanque enorme. Isso seria um gasto enorme para reprojetar o carro, que é maior devido ao tanque. Acho que pequenas mudanças podem ser introduzidas no sentido de fazer uma parada obrigatória a mais. Ainda é muito cedo para tirar uma conclusão. A corrida no Bahrein parece que foi chata na TV, mas é cedo. Vale a pena esperar três ou quatro provas para tomar uma decisão, se for o caso, disse.

Barrichello, inclusive, afirmou que chegou a enviar uma carta a Max Mosley, presidente da FIA até o último ano, reclamando dos pneus introduzidos na categoria à época sem, no entanto, obter uma resposta convincente.

A F-1 moderna, que começou nas mãos do Max Mosley, foi tomada pelo lado errado. Eu mandei uma carta pessoal a ele porque, quando testamos os “groove tires“, aqueles pneus com os riscos, parecia que estávamos voltando a tempo, os carros escorregavam demais, e me foi dada uma explicação que na época não era cabível. No ano passado, com o slick, a corrida voltou a ter emoção. Mas nesse ano eles diminuem o pneu dianteiro na largura, e isso nos fez perder aderência mecânica. A gente fica vulnerável na parte aerodinâmica. A gente tem que ganhar mecânica para perder na aerodinâmica. Isso vai dar mais ultrapassagem, sugeriu o piloto, que revelou as mudanças que a Williams desenvolveu para a corrida em Melbourne.

As mudanças básicas são em cima dos problemas que a gente teve em relação à temperatura do carro que, estava muito quente. Não esperávamos ter tido tantos problemas, perdemos muita carga aerodinâmica por aberturas no carro. Não é problema para o futuro. Para a Malásia a situação já é mais clama. Agora a equipe vem aqui com os pés no chão, porque na primeira corrida estava todo mundo correndo. Para cá temos algumas modificações pequenas na aerodinâmica, que talvez nos dê um pouco de performance, completou.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Ferrari renova acordo com Shell até o ano de 2015

Marca e escuderia retomaram parceria na F-1 há 15 anos, desde 1996

A equipe Ferrari renovou seu acordo técnico e comercial com a Shell por mais cinco temporadas.

Os italianos, que retomaram a parceria com a petrolífera em 1996, após um período de parceria entre a marca e a Agip, agora trabalharão em conjunto com a empresa até 2015, no mínimo.

A extensão de nosso relacionamento é outro passo no plano da Scuderia de reforçar seu futuro a longo prazo, e mostra a continuidade e esperança de uma companhia que é líder mundial em seu segmento, afirmou Stefano Domenicali.

A Shell já está com a Scuderia desde o ano de sua criação, em 1929, e já teve um papel significante em muitos de nossos sucessos, completou.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Novo procedimento de Parque Fechado é aprovado

Carros ficarão na garagem das equipes, mas monitorado por câmeras

Depois de um teste feito no GP do Bahrein, a FIA ganhou a autorização para efetivar o novo sistema de Parque Fechado em 2010.

Ao contrário do que foi feito até o fim do ano passado, quando todos os carros ficavam guardados na mesma garagem, a FIA decidiu inovar: cada equipe pode ficar com o respectivo equipamento, mas uma câmera no teto dos boxes servirá de guardiã.

Cada carro terá uma câmera exclusiva, e o circuito fechado será monitorado por seguranças, que alertarão a FIA se visualizarem alguém modificando o carro. E a câmera é inteligente: ativa o modo de alta definição quando detecta alguma movimentação próxima ao carro.

A experiência feita em Sakhir foi considerada bem-sucedida, e o processo deve ser feito nas etapas restantes desta temporada.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Sauber deve copiar inovação da McLaren no C29

Sistema de entrada de ar ativado pelos pilotos agradou equipes rivais

De acordo com rumores no pitlane de Melbourne nesta quarta-feira, a Sauber deve copiar o sistema de refrigeração criado pela McLaren e apresentado nos testes pré-temporada.

A inovação é uma pequena entrada de ar na parte frontal do cockpit, que se abre por meio de uma manivela pressionada pelos pilotos com o joelho esquerdo.

Quando os pilotos liberam a entrada, o ar passa por dentro do carro e tira a eficiência da pressão aerodinâmica, gerando mais velocidade em linha reta.

No entanto, não se sabe se o time suíço utilizará a cópia neste fim de semana. “Me pergunte na sexta”, afirmou o diretor técnico da equipe, Willy Rampf.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google