Arquivo

Posts Tagged ‘Felipe Massa’

Massa: “Problema nos motores não é sério”

Piloto da Ferrari explica o que houve no Bahrein e diz o que muda na Austrália

Apesar de ter conquistado a segunda colocação no GP do Bahrein, etapa que abriu a temporada 2010 da F-1, o piloto Felipe Massa sofreu com problemas no motor de sua F10, o que o obrigou a poupar combustível nas voltas finais.

Nesta quinta-feira, em Melbourne, onde os pilotos se preparam para o GP da Austrália, o brasileiro explicou o que houve no motor e disse que o problema ainda não foi totalmente resolvido, mas não chega a incomodar por ora.

Realmente eu tive um problema durante a corrida inteira. A temperatura no meu carro estava muito alta e isso fez com que desde o começo eu usasse uma carburação que precisava de muito mais gasolina, porque isso fazia a temperatura baixar. Era certeza que eu ia tirar o pé nas últimas 25 voltas. A hora de tirar o pé foi depois da primeira parada, senão eu não iria chegar ao final da corrida, explicou.

Problema de consumo a gente não tem. Melhoramos muito do ano passado para esse ano, completou Massa, dizendo que não procedem as informações da imprensa italiana de que a Ferrari já trabalharia uma versão “B” da F10. É lógico que tivemos um problema. Não foi uma quebra. A gente tem oito motores para usar o campeonato inteiro. Isso quer dizer treinos de sexta e sábado. Aqui, vamos usar o mesmo motor, então isso não é um problema sério e realmente acho que fizemos bem trocar o motor no Bahrein.

Massa comentou o desempenho dos carros da Ferrari no Bahrein e disse que com certeza o resultado foi melhor do que o esperado. Entretanto, ele reconheceu que a Red Bull estava mais forte na disputa.

Não fomos os mais rápidos na classificação. Se o [Sebastian] Vettel não tivesse um problema, ele venceria, com certeza, porque o ritmo dele era muito bom. Esse é mais um motivo que temos para trabalhar e ter o melhor carro dentro da pista. Na primeira corrida acho que a Red Bull esteve melhor. A cada corrida tem equipe que traz uma peça nova no carro, muda o jeito de usar pneus, etc., mas acho que a gente tirou mais do que podíamos na corrida.

Sobre Michael Schumacher, seu amigo e que neste ano retornou à F-1 após três anos aposentado, Massa diz que ainda é um pouco cedo para dizer se ele tem ou não a mesma capacidade de antes e que não se pode dizer que ele foi superado por Nico Rosberg logo de cara.

Foi a primeira corrida do ano, em uma pista onde ninguém andou na pré-temporada. O Rosberg é um excelente piloto, pode ser mais rápido que o Michael ou que qualquer um. É muito difícil um piloto como ele perder o talento, mas ele ficou três anos fora. As coisas podem melhorar durante as corridas.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Líder da Ferrari acalma os ânimos e pede humildade

Luca di Montezemolo diz que escuderia italiana ainda tem muito que melhorar

Luca di Montezemolo já está em Melbourne, para acompanhar os preparativos para o GP da Austrália, que acontece neste final de semana. Mais que isso, o presidente da Ferrari tem o objetivo de acalmar os ânimos e colocar os pés de todos no chão.

Apesar da dobradinha no pódio conquistada por sua dupla de pilotos, Felipe Massa e Fernando Alonso, vencedor da corrida no Bahrein, o dirigente diz que o time de Maranello ainda tem muito que melhorar para se garantir no topo.

Devemos ter muita humildade nesta corrida. Sabemos que ainda temos muito a fazer e ainda há muita coisa a ser melhorada, como performance e reabilitação, disse Montezemolo ao site oficial da Ferrari.

É importante nos mantermos com os pés no chão. Em Melbourne será fundamental fazer um ótimo tempo no treino classificatório porque, como é comum em circuitos de rua, largar na frente pode determinar o resultado final.

Apesar do resultado positivo no Bahrein, a Ferrari sofreu com problemas nos motores de seus dois carros. Por isso, os mesmos tiveram de ser trocados antes da corrida, por conta de superaquecimento. No momento, esta é a questão que exige maior dedicação de engenheiros e mecânicos.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

“Não podemos agir com a emoção”, diz Domenicali

Chefe da equipe Ferrari explica os planos da escuderia para o GP da Austrália

Stefano Domenicali, chefe da equipe Ferrari de F-1, ganhou uma motivação a mais na Austrália, onde acontece a segunda etapa da temporada. O italiano viu sua dupla de pilotos, Felipe Massa e Fernando Alonso, conquistarem uma dobradinha no Bahrein, o que colocou o time de Maranello no topo.

Entretanto, para o dirigente não basta apenas seguir essa fase. É preciso que a equipe mantenha os pés no chão para buscar resultados ainda melhores, além de conseguirem superar os problemas no motor que atrapalharam o desempenho da F10.

Ficaria muito feliz se nossa escuderia pudesse terminar em primeiro e segundo em todas as corridas. Entretanto, ainda é muito cedo para tirarmos conclusões e não podemos agir de uma maneira emocional, afirmou.

Precisamos esperar e vê como as corridas evoluem durante a temporada e, então, estudá-las calmamente, baseados em evidências.

A escuderia, que já está em Melbourne, para o GP da Austrália, destacou em seu site oficial uma certa limitação que encontrou no paddock, já que estava acostumada a trabalhar com mais especo antes da chegada das novas equipes.

O espaço para trabalho está ainda mais limitado neste ano, com a chegada de dois novos times. Entretanto, há uma área comum às equipes, substituindo o que falta em facilidade, com o charme e atmosfera que um único paddock no calendário pode oferecer, com grama do lado de fora dos escritórios e áreas de hospitalidade.

No momento, os engenheiros da Ferrari trabalham para melhorar a performance do carro e resolver possíveis problemas no motor, incluindo análise de dados e medidas contra o superaquecimento, apresentado no Bahrein.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Massa discorda de Hamilton sobre desempenho da RBR

Felipe Massa (Ferrari) não concorda com Lewis Hamilton (McLaren) de que o carro da Red Bull, é “absurdamente mais rápido” do que os rivais.

Para o brasileiro, a dupla da Red Bull, Sebastian Vettel e Mark Webber já haviam mostrado nos testes de pré-temporada o forte desempenho do RB6.

Nos testes, a Red Bull pode não ter sido o carro mais rápido em termos de tempo por volta, mas eu percebi que o seu ritmo deles nos long runs era muito forte, disse Massa.0

No geral, nós fomos semelhantes, o que reforça a necessidade de tentar melhorar o nosso carro em todas as corridas durante a temporada, encerrou.

[Fonte: amigosdavelocidade.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

E agora?

por Flavio Gomes, colunista do ESPN

A F-1 não passou pelo primeiro teste do novo regulamento. Sem reabastecimento e com pneus que resistem muito mais do que seria possível imaginar, o GP do Bahrein foi uma procissão com raríssimos momentos de emoção.

Até aí, tudo bem. Nos últimos anos, a categoria teve corridas igualmente chatas com reabastecimento, carros largando com pesos diferentes, pit stops mais numerosos. Não se deve atribuir a monotonia da prova de abertura do Mundial apenas à proibição de encher o tanque no meio da brincadeira. É preciso dar o devido crédito, também, à aborrecida pista barenita — mais um circuito à prova de erros, com suas monstruosas áreas de escape que tudo perdoam.

O problema talvez tenha sido, mesmo, a qualidade dos pneus. E como não é possível pedir à Bridgestone que faça pneus ruins, chegou-se a um impasse. Voltar o reabastecimento é algo fora de questão. Os carros foram concebidos para carregar mais gasolina, com tanques maiores, e rever todos os projetos é inviável economicamente.

As propostas que começam a surgir aqui e ali, como duas paradas obrigatórias e fim da bandeira azul, são pueris. A primeira é um artifício que não combina com a F-1. A segunda fere a segurança.

Talvez não haja motivo para alarme ainda, apesar das opiniões mais do que fundamentadas daqueles que estão na arena, os pilotos — Schumacher, Alonso e Webber estão entre os que acham que as ultrapassagens ficaram ainda mais difíceis. Há circuitos mais interessantes que o do Bahrein onde, com reabastecimento ou não, as provas podem ser melhores. A próxima, em Melbourne, é uma dessas, com características de pista de rua em vários trechos. E sempre pode chover, como aconteceu bastante no ano passado, o que anima qualquer corrida — a Indy que o diga.

É difícil sugerir algo já, depois de apenas um GP. Aliás, é difícil sugerir algo a qualquer tempo. As mudanças para 2010 foram estudadas e debatidas, e todo mundo achava que poderiam dar certo. Muita gente, por exemplo, queria o fim do reabastecimento. O público votou nisso no site da FIA, o grupo técnico da F-1 deu seu aval, e não foi difícil perceber que além de não resolver nada, é possível que tenha piorado as coisas. A tchurma da F-1 vai ter de quebrar a cabeça para encontrar soluções que possam ser aplicadas ainda em 2010.

Palpite? Vão esperar pelas próximas etapas para ver o que fazer. E o mais provável é que não façam nada. Mexer no regulamento com o campeonato já iniciado não é algo muito comum.

Senna, 50

Ayrton Senna faria 50 anos domingo. Que seja lembrado por aquilo que fazia melhor: pilotar carros de corrida. Todo o resto, seu endeusamento, sua transformação em mártir, em ídolo infalível, quase um santo que só não foi canonizado porque o papa ainda não sacou nada, não passa de babaquice.

[Fonte: espnbrasil.terra.com.br] - Autor: Flavio Gomes - Foto: Google

Vocês não viram nada ainda, crê a Ferrari

No último domingo, no Bahrein, a escuderia italiana Ferrari começou a temporada 2010 de Fórmula 1 com uma dobradinha. O espanhol Fernando Alonso, estreando na equipe, venceu o GP e Felipe Massa, retornando de acidente, foi o 2º colocado.

Mas Stefano Domenicali, o chefão da Ferrari, entende que esse foi apenas o começo e o time de Maranello pode se apresentar ainda melhor durante esse campeonato.

Tivemos uma série de problemas e conseguimos um bom desempenho, explica o diretor-esportivo. Mesmo assim fizemos um bom trabalho. Mas podemos fazer melhor. Foi um final de semana nota 8 e não 10, seguiu.

Claro que foi um grande resultado completar a corrida em 1º e 2º. Mas é uma longa temporada e temos uma longa lista de problemas para resolver antes do GP da Austrália. E não queremos que ele se repitam, encerrou Domenicali.

A etapa australiana, segunda do Mundial, acontece no domingo – dia 28/3 – a partir das 03h00 (Brasília).

[Fonte: amigosdavelocidade.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

 

No Brasil, Massa avisa: “Pretendo correr por muito tempo”

Felipe Massa nunca escondeu a sua admiração por Michael Schumacher. A inspiração no alemão é tanta que o brasileiro pretende segui-lo também quando se fala em longevidade nas pistas. “Ainda pretendo correr por muito tempo”, comentou o piloto da Ferrari, durante uma visita às oficinas da JL, base técnica da Fórmula Future Fiat.

Questionado sobre a possibilidade de ir às oficinas de um dia dividir retas e curvas da Fórmula 1 com o campeão de 2010 da categoria que está apadrinhando em sua criação no Brasil, Massa reagiu com naturalidade. Por que não? Ainda sou novo, tenho 28 anos, e o Schumacher está correndo novamente aos 41, observou.

Em uma breve passagem pelo país antes do GP da Austrália, Felipe contou que partiu dele a sugestão de dar uma vaga ao campeão da temporada inaugural da categoria no Driver Academy, programa de desenvolvimento da Ferrari. Conversei com o diretor-geral Stefano Domenicali e ele gostou da ideia, lembrando que o Brasil tem grande tradição na formação de pilotos, afirmou.

Recebido pelos irmãos Felipe e Zequinha Giaffone, dirigentes da JL, Massa conheceu o paranaense Jonathan Louis, que foi ver o carro pela primeira vez e esteve acompanhado do paulista Felipes Apezzatto. As duas revelações do kart brigarão pelo prêmio mais atraente já oferecido no automobilismo brasileiro.

O Ferrari Driver Academy representa uma oportunidade rara de chegar à Formula 1. Será como entrar numa faculdade importante, na qual o aluno poderá aprender, crescer a cada dia e sonhar com um grande futuro, analisou Massa.

Massa passou por dificuldades no início da carreira por falta de patrocínio. Daí, a ideia de apoiar novos talentos. Já me vi na situação de ter de vencer corrida para ter a garantia de que estaria na próxima, recordou. Esta é uma grande oportunidade. O que a molecada tem de fazer agora é acelerar e aprender o máximo possível, comentou.

Além da vaga no Ferrari Driver Academy, o campeão ganhará a temporada paga na Fórmula Abarth na Itália em 2011, enquanto o segundo, terceiro e quarto colocados testarão o Fórmula 3 da equipe francesa Signature, uma das principais forças da série européia.

[Fonte: espnbrasil.terra.com.br] - Autor: ESPN/AgGE - Foto: Google