Arquivo

Posts Tagged ‘Brawn GP’

McLaren compra de volta ações da Mercedes-Benz

Montadora alemã era a acionista majoritária do time, com 40% das ações

A McLaren comprou de volta as ações de sua equipe que eram pertencentes à Mercedes Benz.

A montadora alemã era acionista majoritária da divisão de F-1 da escuderia inglesa, antes de a marca comprar a Brawn GP e retornar com equipe própria na F-1.

Desta forma, Ron Dennis e Mansour Ojjeh possuem 15% das ações, com a empresa barenita Mumtalakat com 30%. A Mercedes possuía 40% das ações, que vão passar para as mãos do Grupo McLaren.

Acho que a Mercedes ainda possui cerca de 11%, mas não é um número importante ou significante, afirmou o chefe da equipe, Martin Whitmarsh, à Reuters.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Codemasters apresenta detalhes do game de 2010

Jogo tem participação de Anthony Davidson como piloto de testes

Nesta quinta-feira, em Londres, na Inglaterra, a Codemasters apresentou os detalhes do novo jogo de F-1, que será lançado no mês de setembro, baseado na atual temporada.

O game será vendido para as plataformas Xbox, PlayStation 3 e PC, com novos sistema de carreira, variação do tempo e dirigibilidade, utilizando o programa Ego de desenvolvimento das físicas do jogo.

Segundo a empresa, o foco do jogo não é apenas os modos simulação e arcade, mas a criação de uma experiência onde o jogador é imerso no jogo e tem uma ideia mais profunda de como é ser um piloto de F-1 e como é a vida nos paddocks.

Para isso, a Codemasters contratou um piloto de verdade para testar o jogo: Anthony Davidson, test-driver da extinta Brawn. Por outro lado, a empresa confirmou que o jogo não terá safety cars, voltas de apresentação e categorias de base.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google

Williams pode realizar parceria com VW, segundo publicações

Williams pode realizar parceria com VW, segundo publicações

De acordo com publicações alemãs, a Williams pode firmar parceria com a montadora Volkswagen.

Segundo o jornal Sport Bild, Frank Williams já vendeu 20% da escuderia inglesa ao grupo austríaco Toto Wolf e poderá vender a outra parte para a VW.

Estamos mais fortes com um fabricante do que como uma equipe privada. Sem dúvidas. E é claro, que temos uma afinidade com a Alemanha. Lembro-me bem, bem no início, íamos para as corridas com ônibus VW – às vezes até mesmo dormiamos neles, disse Williams.

Os carros alemães são grandes. Com a Mercedes, Brawn conquistou o título no ano passado, e a McLaren no ano anterior. E agora eles (Mercedes) estão entre os primeiros com sua própria equipe, acrescentou.

O representante de competições da VW, Hans-Joachim Stuck afirmou não ter interesse em retornar a F-1.

No momento a F-1 não é um assunto para nós, se as condições mudarem, teremos que pensar nisso, declarou.

[Fonte: amigosdavelocidade.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Fatos, curiosidades e números do Bahrein

O GP do Bahrein foi apenas a primeira corrida, mas pode dizer muito do que será a temporada deste ano da Fórmula 1. A começar pelo fato de a categoria ter uma nova dinâmica de disputa: sem reabstecimento, com carros mais pesados e pneus resistentes, a estratégia perdeu boa parte de sua importância.

Há que se destacar, também, a grande diferença de tempos entre as equipes já estabelecidas e as estreantes – Lotus, Virgin e Hispania – que criou praticamente uma competição paralela.

A dobradinha da Ferrari com vitória de Fernando Alonso também mostra que, pelo menos nas provas com as características de Sakhir – alta temperatura e baixa umidade – a equipe começa o ano como favorita, tendo como maior adversárias, pela ordem, Red Bull, McLaren e Mercedes.

Veja os principais fatos, curiosidades e estatísticas do GP do Bahrein:

O vencedor – Fernando Alonso (ESP/Ferrari)

Tornou-se o quinto piloto nos 60 anos de Fórmula 1 a estrear com vitória pela Ferrari; antes dele, apenas Juan Manuel Fangio (1956), Giancarlo Baghetti (1961), Nigel Mansell (1989) e Kimi Raikkonen (2007) tiveram início tão bom na escuderia italiana;

Voltou a subir ao topo do pódio após 18 corridas, maior jejum desde que venceu pela segunda vez, no GP da Malásia de 2005;

A vitória foi apenas a segunda do espanhol desde o fatídico GP de Cingapura de 2008, quando Nelsinho Piquet bateu de propósito, a mando da chefia da Renault, para ajudá-lo;

Além do bom desempenho na prova, Alonso tem um número a seu favor na disputa pelo título: em 31 dos 60 Mundiais disputados até hoje, o vencedor da primeira corrida foi também o campeão.

Em oito dos últimos dez anos, o vencedor da primeira prova levou o título – foi assim com Schumacher (2000, 2001, 2002 e 2004), Alonso (2006), Raikkonen (2007), Hamilton (2008) e Button (2009). As exceções foram Schumacher, em 2003, e Alonso, em 2005.

A dobradinha da Ferrari

Com o segundo lugar de Felipe Massa, a Ferrari chegou à 80ª dobradinha de sua história, um recorde absoluto na Fórmula 1. A última vez que a escuderia havia feito primeiro e segundo lugares em uma prova fora no GP da França de 2008, quando Felipe Massa venceu com Kimi Raikkonen em segundo lugar;

A última vez que a Ferrari começou a temporada com dobradinha foi em 2004, com Michael Schumacher e Rubens Barrichello na Austrália. Naquele ano, a equipe venceu 15 das 18 corridas da temporda, sendo 13 com o alemão e duas com o brasileiro; em oito destas vitórias, houve dobradinha da escuderia.

Em 2009, a temporada também começou com uma equipe colocando seus pilotos em primeiro e segundo lugar: a Brawn fez o campeão, Jenson Button, e o terceiro colocado no Mundial, Rubens Barrichello.

Felipe Massa, o retorno

Em sua primeira corrida desde o acidente na Hungria em julho de 2009, o brasileiro conseguiu encerrar um jejum na carreira: é a primeira vez que ele consegue subir ao pódio na prova inaugural do campeonato. Antes, o melhor desempenho era o sexto lugar na Austrália, em 2007.

Curiosamente, Massa retornou de seu acidente com um segundo lugar, exatamente como Michael Schumacher, em 1999 – o alemão, também na Ferrari, quebrou a perna no GP da Inglaterra e voltou na Malásia, no mesmo ano.

O novo velho Schumacher

Em seu retorno à Fórmula 1, o heptacampeão largou em sétimo. Exatamente como em sua primeira prova, o GP da Bélgica de 1991, pela Jordan. Desta vez, contudo, ele foi além da primeira curva, e terminou a corrida com um sexto lugar;

A estreia na Mercedes, aliás, não pode ser considerada ruim se levarmos em conta que o alemão jamais subiu ao pódio em sua primeira prova em uma equipe. Na Jordan, ele abandonou; na Benetton, foi quinto; na Ferrari, quarto.

Ao ser superado por Nico Rosberg no treino de classificação e na corrida, Schumacher experimentou uma sensação incomum na carreira. Ele jamais terminou um Mundial com desvantagem para um companheiro de equipe.

Os estreantes brasileiros

Os dois pilotos do país que estrearam no Bahrein abandonaram a prova: Lucas di Grassi parou na segunda volta, e Bruno Senna, na 17ª. O desempenho de ambos, contudo, não é o pior de um brasileiro na prova de estreia: Mauricio Gugelmin andou apenas 100 metros na estreia, em Jacarepaguá-1988; Felipe Massa não passou a primeira curva na Austrália, em 2002.

Senna x Senna

Para efeito de comparação entre tio e sobrinho, Ayrton Senna estreou na Fórmula 1 no GP do Brasil de 1984. Largou em 16º e completou apenas oito voltas, antes de abandonar com um problema no motor turbo de sua Toleman. Por incrível que pareça, na estreia, Bruno superou o tio.

[Fonte: espnbrasil.terra.com.br] - Autor: ESPN - Foto: Google

FIA defende adoção de regra de limite de tempo que tiraria Senna do GP do Bahrein

O presidente da FIA, o francês Jean Todt, afirmou nesta sexta-feira que vai tentar reintroduzir a regra dos 107% nos treinos da Fórmula 1. Até 2002, todo piloto que fizesse tempos fora desse limite (7% acima do tempo do mais veloz) na sessão de definição do grid, estaria fora da corrida. Se fosse adotada com os tempos desta sexta-feira, o brasileiro Bruno Senna não poderia disputar o GP do Bahrein.

Somos muito a favor. Essa regra só foi abolida pelas mudanças nos treinos, com a possibilidade de abastecimento e as diferentes estratégias de combustível para o início da corrida, explicou Todt à Autosport, resssaltando que medida precisaria ser aprovada por unanimidade e só seria usada em 2011.

A declaração foi feita logo depois dos treinos livres em que as três novas equipes da categoria tiveram desempenhos ruins. O pior deles foi Bruno Senna, que, no volante do Hispania, equipe que nunca tinha colocado o carro na pista, foi 11 segundos mais lento do que o mais rápido do dia, Nico Rosberg, da Mercedes.

O brasileiro ficaria fora, com 2min06s968, contra 1min55s409, 10% mais lento. As outras estreantes ficaram dentro do limite. A dupla da Virgin ficou 5% acima de Rosberg, com Lucas di Grassi marcando 2min02s188 e Timo Glock, 2min02s037. Já a dupla da Lótus ficou 4% acima (Heikki Kovalainen fez 2min00s873 e Jarno Trulli, 2min00s990).

O dirigente, porém, evitou críticas aos novos times da categoria. Você tem de respeitar as novatas que estão chegando à F-1 em um momento econômico tão delicado. Não é hora de criticar, mas de apoiar. O que fizeram hoje foi incrível.

Asa da McLaren
Todt comentou também as críticas que estão sendo feitas à entidade, sobre os problemas da asa da McLaren. A equipe introduziu uma entrada de ar retrátil, que pode ser acionada pelos pilotos e aumentaria a velocidade em retas. Eu confio nas pessoas que julgaram o caro, disse o dirigente.

Nesta sexta-feira, o diretor da Renault, Bob Bell, fez duras críticas à Fia. Está claro que a asa da McLaren está completamente fora dos padrões e é ridículo que a FIA tenha aprovado. Isso vai custar muito dinheiro a todas as outras equipes.

Segundo Bell, a decisão pode criar uma nova polêmica de difusores. No ano passado, a Brawn (hoje Mercedes), adotou um sistema de distribuição de ar na traseira que aproveitava um detalhe nas regras para ganhar rendimento. O equipamento foi considerado legal e todos os rivais tiveram de gastar mais dinheiro em desenvolvimento para criar os seus próprios difusores duplos.

Antidoping
Além das questões técnicas, a FIA também está analisando a possibilidade de adotar regras da Wada, a Agência Internacional antidoping. O vice-presidente da entidade, Graham Stoker, disse que a Fórmula 1 deve assinar o Código Mundial Antidoping, incluindo as regras de testes fora de competição.

[Fonte: esporte.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Bahrein abre a temporada da Fórmula 1

Sakhir tem novo traçado para receber etapa de 2010

O circuito de Sakhir, cenário neste fim de semana do Grande Prêmio de Bahrein, primeira prova do Campeonato Mundial de Fórmula 1 em 2010, teve seu traçado alterado em relação ao do ano passado, e poderá equilibrar ainda mais a disputa pelo lugar mais alto do pódio.

Neste ano, quatro pilotos que já se sagraram campeões da categoria estarão na pista, ao lado de jovens promessas e coadjuvantes que poderão surpreender.

Apesar de o circuito ter sido construído há apenas cinco anos e nunca ter sido alvo de críticas por parte dos pilotos, os organizadores o aumentaram para 6.299 metros, o que o transforma no segundo mais longo do Mundial, depois de Spa-Francorchamps (Bélgica).

A partir da quarta curva do traçado anterior, foram acrescentados 887 metros e oito curvas, com a intenção de oferecer mais pontos de ultrapassagem.

Dono de sete títulos mundiais, o alemão Michael Schumacher fará no Barein seu retorno ao “circo” da F-1 após ficar de fora da categoria nos últimos três anos. O experiente piloto correrá pela equipe Mercedes, criada a partir da aquisição da atual campeã de construtores, a BrawnGP.

Por sinal, o chefe da escuderia será Ross Brawn, o que permitirá a reedição de uma parceria vitoriosa na Ferrari.

Já os cockpits dos lendários carros vermelhos serão ocupados por Felipe Massa – principal esperança brasileira de quebrar um jejum de quase 20 anos sem títulos – e pelo bicampeão espanhol Fernando Alonso, que após amargar duas más temporada na Renault, volta a ter condições de brigar pelas primeiras posições.

Da última vez que isso aconteceu, Alonso estava na McLaren, em 2007, e era companheiro do então novato Lewis Hamilton. Protegido do ex-chefe da equipe, Ron Dennis, o jovem inglês obteve ótimos resultados em sua estreia e dificultou muito a tarefa do espanhol.

No ano seguinte, Hamilton daria início a um período de supremacia inglesa na F-1, conquistando o Mundial, feito que seria repetido em 2009 por Jenson Button pela BrawnGP.

Em 2010, os dois ingleses dividirão os boxes da McLaren, agora chefiada por Martin Whitmarsh. A equipe teve uma boa notícia nesta quinta-feira, com a liberação, por parte da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), do uso de sua polêmica asa traseira.

O aerofólio era contestado por Ferrari e Red Bull desde os testes coletivos da categoria no circuito de Barcelona.

A McLaren se mostrava confiante quanto à liberação de seu aerofólio, mas por via das dúvidas havia preparado um modelo substituto.

O sistema inovador conta com uma entrada de ar na parte de cima do chassi que pode ser aberta e fechada pelos pilotos.

Outro candidato em potencial ao título é o jovem alemão Sebastian Vettel, vice-campeão no último ano com a Red Bull.

Contra Felipe Massa, pesa o fato do motor do modelo F10, da Ferrari, ter um consumo mais elevado que os dos rivais. Com a proibição do reabastecimento, tudo indica que a equipe terá que começar as corridas com mais combustível do que as concorrentes.

Além de Massa, outros três brasileiros disputarão o GP do Barein e o Mundial. Um deles é Rubens Barrichello, terceiro colocado em 2009, e que trocou a BrawnGP pela Williams.

Os outros dois são novatos. Lucas Di Grassi fará sua estreia na F-1 pela também iniciante equipe Virgin, e Bruno Senna, na Hispania, será o responsável por trazer de volta à categoria um de seus nomes mais famosos.

[Fonte: lancenet.com.br] - Autor: EFE - Foto: Google

Button et Brawn récompensés

 

Leurs routes se sont séparées mais Jenson Button et Ross Brawn continuent de gagner. Cinq mois après leur victoire au championnat du monde, les Britanniques ont remporté dans leur catégorie respective le prestigieux trophée des Laureus Awards.

L’écurie Brawn GP (désormais Mercedes) a été désignée ‘ Équipe de l’année ‘ pendant que Jenson Button recevait la récompense de ‘ Révélation de l’année ‘.

« Je crois que quelqu’un a oublié de dire à l’acamédie Laureus que j’ai 30 ans ! » a plaisanté Button son trophée dans les mains. « En réalité, 2009 fut une année très spéciale de ma vie. Je ne pensais pas courir en F1. Décrocher le titre avec Brawn GP pour notre première saison fut une expérience très émotionnelle et une partie de ce trophée revient à l’équipe. »

[Source: GPUpdate] - Photo: Google