Arquivo

Posts Tagged ‘Ross Brawn’

Mercedes pretende reduzir o tempo de pit para 2s5

Equipe alemã ficou na casa dos 3s no Bahrein, mas trabalha para otimizar trocas

A equipe Mercedes de F-1, cujo chefe, Ross Brawn, já admitiu estar um pouco aquém dos times de ponta, como Ferrari, McLaren e Red Bull, trabalhará nos próximos dias na melhoria de seus pit stops.

Para este final de semana, em Melbourne, onde acontece o GP da Austrália, a equipe alemã já apresentará um pacote com diversas melhorias. Entretanto, o plano é ir melhorando o ritmo a cada disputa.

De acordo com a publicação seminal alemão Der Spiegel, o time de Brackley mantém o foco agora na troca de pneus e pretende diminuir para 2s5 o tempo necessário para trocar os compostos.

Para tanto, a Mercedes já desenvolveu um novo macaco, que permitirá levantar o carro mais rapidamente, facilitando o trabalho dos mecânicos.

Antes do GP do Bahrein, a Red Bull havia dito que sua troca de pneus levaria 1s8. Entretanto, na corrida de abertura do campeonato as equipes fizeram uma média de 3s5 a 4s.

De acordo com um porta-voz da Mercedes, por ora o tempo de 3s5 está razoável, mas dentro de algum tempo ele deve baixar muito. 2s5 seria uma meta bem realista, disse.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação  - Foto: Google
Anúncios

Para Brawn, Mercedes ainda não está competitiva

Ross Brawn, chefe da equipe Mercedes, demostrou satisfação com o desempenho de Nico Rosberg e Michael Schumacher no GP do Bahrein.

O dirigente ressaltou importância do trabalho de equipe que os dois pilotos realizaram e acrescentou que o W01 ainda precisa de alguns ajustes para alcançar as escuderias Ferrari e Red Bull.

A equipe fez um bom trabalho no Bahrein, mas aceitamos que não estávamos suficientemente competitivo e que temos trabalho a fazer para diminuir a diferença para os líderes, disse Brawn.

Fiquei muito satisfeito com o desempenho de Nico e Michael, e a maneira que eles trabalharam juntos para fornecer um feedback limpo e consistente para desenvolver o carro durante o fim de semana, acrescentou.

Embora nosso carro é fundamentalmente forte, temos um plano de desenvolvimento em vigor para as próximas corridas que deve trazer as melhorias de desempenho necessários para competir na frente, encerrou.

[Fonte: amigosdavelocidade.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Fry crê que Mercedes pode evoluir ao longo do ano

Dirigente também elogia Schumacher: “Ele se divertiu, e isso é o mais importante”

Nick Fry, CEO da Mercedes, reconheceu que a escuderia alemã precisa evoluir nas próximas corridas, para poder lutar por vitórias ao longo do campeonato.

No entanto, o britânico se mostrou confiante com a capacidade do time de progredir e brigar pelos títulos em disputa nesta temporada.

Acho que o incentivo é ter um carro confiável e estarmos com uma posição realmente boa no Campeonato de Construtores, em terceiro lugar, com a segunda equipe apenas um pouco à frente. Então acho que não ficaremos desanimados, disse.

O desempenho do carro não foi bom. Os engenheiros que tenho ouvido me dizem que existem muitas pequenas coisas que precisam ser melhoradas, mas são coisas que podemos fazer. Não existe um problema sem solução. Nós sabemos exatamente o que temos a fazer, e existem planos para realizar isso. Acho que temos uma fantástica equipe de engenheiros.

Temos excelentes instalações e um plano global, mas só o tempo dirá se é suficiente. Estamos bastante confiantes.

Fry também se disse animado com o retorno de Michael Schumacher. Para ele, o alemão é o mesmo piloto de antes.

Michael, obviamente, se divertiu. Isso é o principal. Ele voltou porque quis, por saber que gostava de corridas no passado. Acho que isso confirmou que ele continuará gostando de correr.

Para nós, isso é a coisa mais animadora. Ele parecia o mesmo do passado, o que é muito encorajador. Como de costume, ele, Ross e os demais se sentaram para uma longa reunião de engenheiros para desenvolver uma lista de coisas a fazer. Acho que é um pouco como nos velhos tempos, encerrou.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Schumacher, conforme y sin cansancio tras su vuelta a la F-1

El piloto alemán Michael Schumacher volvió a subirse a un coche de Fórmula Uno y soportó el agobiante calor del desierto el domingo en el Gran Premio de Bahréin, sometiéndose a una terrible experiencia que habría marchitado a un hombre con la mitad de su edad.

Por el contrario, el germano dijo que lo disfrutó.

El siete veces campeón del mundo, cumpliendo su vuelta a la categoría a los 41 años con Mercedes y después de tres años retirado, trabajó durante una hora y 40 minutos para finalizar sexto en la carrera que abrió la nueva temporada. Terminó un puesto por delante del lugar desde donde salió.

Fue muy divertido, mi salida fue bastante buena, todo funcionó bien. Tuve algunas preocupaciones, pero la carrera no fue muy cansada para mí, declaró Schumacher.

El director administrativo de Mercedes GP, Nick Fry, respaldó las declaraciones del alemán.

Michael tiene un gran espíritu. Obviamente lo disfrutó y creo que eso es lo más importante, manifestó Fry a periodistas.

Volvió (a la F-1) porque sabía que disfrutaba del automovilismo antes y pienso que ha confirmado que va a disfrutar del deporte en el futuro, agregó.

Schumacher, que corrió por última vez con Ferrari en 2006, opinó que mucho había cambiado desde la aplicación de la prohibición de recargar combustible durante la carrera, y aclaró que se necesitaba tiempo para acostumbrarse a los neumáticos diferentes.

Con pocos sobresaltos y ninguna de las escaramuzas que han marcado su carrera desde su debut en 1991, el alemán tuvo una tarde tranquila pese al sol que afectó su visión cerca del final de la carrera.

Después de la salida, que fue emocionante, se produjo algo de lo que esperaba con las nuevas reglas. Uno primero tiene algunos problemas y luego ya no, señaló Schumacher.

La parada en boxes (por los neumáticos) da un poco de movimiento pero no mucho, y luego es casi imposible pasar a alguien (…) hay que acostumbrarse, añadió.

Por su parte, Ross Brawn, actual director del equipo Mercedes, reconoció que aún quedaba trabajo por hacer para alcanzar a la escudería italiana.

No fuimos lo suficientemente rápidos hoy, y nuestro ritmo no nos permitió terminar más adelante y pelear por un puesto en el podio, admitió Brawn.

Tenemos un duro trabajo por delante, pero confío en que podemos progresar mucho con el coche en las próximas carreras, continuó.

[Fonte: es.eurosport.yahoo.com] - Autor: Eurosport/ES - Foto: Google

Apesar de críticas, Ross Brawn já fala em ‘copiar’ sistema de ventilação da McLaren

Do outro lado, chefe da Lotus reclama da interpretação da FIA sobre peça

No detalhe, a entrada de ar da McLaren O sistema de refrigeração adotado pela McLaren para 2010 continua gerando polêmica. A princípio, a entrada de ar instalada na dianteira do carro teria a função de ventilar a cabine do piloto, mas um duto que atravessa o carro também a ligaria à asa traseira, aumentando a velocidade do carro. Primeiro, foi a RBR quem reclamou. Agora, Ross Brawn, chefe da Mercedes, afirmou que o que resta às outras equipes é desenvolver o mesmo artifício em seus modelos.

Nós vamos ter que seguir em frente e fazer nossa própria versão disto neste momento. A situação não estava clara, mas tivemos uma explicação da FIA sobre como eles vão tratar isto, então vamos todos nesta direção.

Antes do GP do Bahrein, os detalhes do sistema da McLaren continuavam obscuros, mas análises do carro pelos rivais levaram a uma ideia mais clara do que se trata.

[Fonte: globoesporte.globo.com] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Bahrein abre a temporada da Fórmula 1

Sakhir tem novo traçado para receber etapa de 2010

O circuito de Sakhir, cenário neste fim de semana do Grande Prêmio de Bahrein, primeira prova do Campeonato Mundial de Fórmula 1 em 2010, teve seu traçado alterado em relação ao do ano passado, e poderá equilibrar ainda mais a disputa pelo lugar mais alto do pódio.

Neste ano, quatro pilotos que já se sagraram campeões da categoria estarão na pista, ao lado de jovens promessas e coadjuvantes que poderão surpreender.

Apesar de o circuito ter sido construído há apenas cinco anos e nunca ter sido alvo de críticas por parte dos pilotos, os organizadores o aumentaram para 6.299 metros, o que o transforma no segundo mais longo do Mundial, depois de Spa-Francorchamps (Bélgica).

A partir da quarta curva do traçado anterior, foram acrescentados 887 metros e oito curvas, com a intenção de oferecer mais pontos de ultrapassagem.

Dono de sete títulos mundiais, o alemão Michael Schumacher fará no Barein seu retorno ao “circo” da F-1 após ficar de fora da categoria nos últimos três anos. O experiente piloto correrá pela equipe Mercedes, criada a partir da aquisição da atual campeã de construtores, a BrawnGP.

Por sinal, o chefe da escuderia será Ross Brawn, o que permitirá a reedição de uma parceria vitoriosa na Ferrari.

Já os cockpits dos lendários carros vermelhos serão ocupados por Felipe Massa – principal esperança brasileira de quebrar um jejum de quase 20 anos sem títulos – e pelo bicampeão espanhol Fernando Alonso, que após amargar duas más temporada na Renault, volta a ter condições de brigar pelas primeiras posições.

Da última vez que isso aconteceu, Alonso estava na McLaren, em 2007, e era companheiro do então novato Lewis Hamilton. Protegido do ex-chefe da equipe, Ron Dennis, o jovem inglês obteve ótimos resultados em sua estreia e dificultou muito a tarefa do espanhol.

No ano seguinte, Hamilton daria início a um período de supremacia inglesa na F-1, conquistando o Mundial, feito que seria repetido em 2009 por Jenson Button pela BrawnGP.

Em 2010, os dois ingleses dividirão os boxes da McLaren, agora chefiada por Martin Whitmarsh. A equipe teve uma boa notícia nesta quinta-feira, com a liberação, por parte da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), do uso de sua polêmica asa traseira.

O aerofólio era contestado por Ferrari e Red Bull desde os testes coletivos da categoria no circuito de Barcelona.

A McLaren se mostrava confiante quanto à liberação de seu aerofólio, mas por via das dúvidas havia preparado um modelo substituto.

O sistema inovador conta com uma entrada de ar na parte de cima do chassi que pode ser aberta e fechada pelos pilotos.

Outro candidato em potencial ao título é o jovem alemão Sebastian Vettel, vice-campeão no último ano com a Red Bull.

Contra Felipe Massa, pesa o fato do motor do modelo F10, da Ferrari, ter um consumo mais elevado que os dos rivais. Com a proibição do reabastecimento, tudo indica que a equipe terá que começar as corridas com mais combustível do que as concorrentes.

Além de Massa, outros três brasileiros disputarão o GP do Barein e o Mundial. Um deles é Rubens Barrichello, terceiro colocado em 2009, e que trocou a BrawnGP pela Williams.

Os outros dois são novatos. Lucas Di Grassi fará sua estreia na F-1 pela também iniciante equipe Virgin, e Bruno Senna, na Hispania, será o responsável por trazer de volta à categoria um de seus nomes mais famosos.

[Fonte: lancenet.com.br] - Autor: EFE - Foto: Google

Button et Brawn récompensés

 

Leurs routes se sont séparées mais Jenson Button et Ross Brawn continuent de gagner. Cinq mois après leur victoire au championnat du monde, les Britanniques ont remporté dans leur catégorie respective le prestigieux trophée des Laureus Awards.

L’écurie Brawn GP (désormais Mercedes) a été désignée ‘ Équipe de l’année ‘ pendant que Jenson Button recevait la récompense de ‘ Révélation de l’année ‘.

« Je crois que quelqu’un a oublié de dire à l’acamédie Laureus que j’ai 30 ans ! » a plaisanté Button son trophée dans les mains. « En réalité, 2009 fut une année très spéciale de ma vie. Je ne pensais pas courir en F1. Décrocher le titre avec Brawn GP pour notre première saison fut une expérience très émotionnelle et une partie de ce trophée revient à l’équipe. »

[Source: GPUpdate] - Photo: Google