Arquivo

Posts Tagged ‘Circuito da Catalunya’

Force India espera ser forte em todos os circuitos

“Nossa meta é continuar a toada. Não podemos perder a força”, diz dirigente

Ao contrário do ano passado, quando Adrian Sutil, Giancarlo Fisichella e Vitantonio Liuzzi só conseguiram andar na frente em circuitos rápidos, a Force India acredita que será forte em qualquer tipo de traçado em 2010.

A promessa é de Otmar Szafnauer, executivo-chefe da escuderia indiana. Acho que, no fim da temporada passada, aconteceram algumas coisas ajudaram, disse o dirigente, enumerando os acontecimentos.

Primeiro, alguns dos circuitos favoreceram nosso carro. Contudo, havia o fato de que os pacotes aerodinâmicos instalados no carro se relacionaram muito bem com o que foi visto no túnel de vento, continuou.

Com isso, fizemos o carro melhor neste ano. Nossa meta é continuar esta toada. Não podemos perder a força nesses circuitos rápidos e precisamos aplicar a pressão aerodinâmica de uma maneira eficiente. Acho que conseguiremos isso, completou.

Szafnauer também confirmou que o pacote aerodinâmico avaliado em Barcelona na semana passada será utilizada na etapa do Bahrein, e que novas partes serão levadas para o GP da Austrália.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Force India

 

Anúncios

Especialista não aponta equipe favorita para a Fórmula 1

Lito Cavalcanti diz que Felipe Massa briga pelo título em 2010

Para a temporada de Fórmula 1 deste ano, que começa no próximo dia 14 de março com o GP do Bahrein, quatro equipes são constantemente apontadas como favoritas ao título: Ferrari, McLaren, Mercedes e Red Bull. Mas para o comentarista Lito Cavalcanti, não é bem assim.

A pré-temporada (que aconteceu em fevereiro, passando por Valência, Jerez de la Frontera e Barcelona) não definiu, ninguém sabe de nada ainda, em termos de velocidade, não definiu. Os carros estão preparados em termos de resistência, o que vai ser importante, por causa da velocidade na corrida inteira. A Ferrari está bem, a McLaren está bem, a Red Bull ainda tem desconfiança – analisou o comentarista do SporTV.

Sobre a principal atração da temporada, o alemão Michael Schumacher, que vai correr pela Mercedes, Lito prefere não cravar se ele será favorito.

Não dá para ver, a velocidade está lá com ele, mas a corrida não é apenas o piloto, depende de vários outros fatores também – destacou Lito.

Lito ainda falou sobre as chances dos dois principais brasileiros na Fórmula 1.

Felipe Massa (da Ferrari) pode brigar pelo título, não tenho dúvida, ele é o quinto campeão (a Fórmula 1 tem como campeões este Michael Schumacher, Fernando Alonso, Lewis Hamilton e Jenson Button), não foi por causa de Cingapura, vai brigar por vitórias, e talvez por título. O Rubinho deve ser o cara que, em condições normais, deve brigar pelo quinto lugar, e eventualmente uma das quatro primeiras, não para primeiro, com possibilidades. Mas tudo isso é só impressão, não podemos falar nada com certeza, longe disso – frisou Cavalcanti.

Sobre as equipes novas que participaram da pré-temporada – Lotus e Virgin -, que ficaram muito abaixo das outras, Lito foi curto.

Está acontecendo o que já se esperava – concluiu.

[Fonte: lancenet.com.br] - Autor: LancePress - Foto: Google

Webber: “Seria suicídio dizer que lutarei pelo título”

Australiano ridiculariza novas equipes e crava: “Seria importante ver Rossi na F-1”

Mark Webber, piloto da Red Bull, afirmou nesta terça-feira ao jornal italiano Gazzetta dello Sport que não pode afirmar que lutará pelo título mundial de 2010.

Para o australiano, tal declaração soaria como um suicídio. Sua meta inicial é apenas vencer mais corridas o aussie conta com duas vitórias na carreira, nos GPs da Alemanha e do Brasil realizados na última temporada.

Não esperem que eu diga que vou ganhar o título neste ano, isto seria suicídio, – disse. – Pretendo vencer mais corridas, mais do que fiz no ano passado. Digamos que temos uma grande oportunidade de fazer algo especial.

Com pouco combustível, o carro é super rápido. Os pneus deram um passo atrás pela falta de concorrência, os tempos aumentaram, mas a aerodinâmica é surpreendente. Enfim, é cedo para dizer. Será um campeonato decidido no fim e será espetacular, eu garanto.

Por fim, Webber afirmou que a situação vivida pelas novas equipes da F-1, em especial Campos e USF1, é embaraçosa, fez uma declaração curiosa: seria mais interessante ver Valentino Rossi na categoria do que ter as escuderias novatas.

É embaraçoso. É o tipo de roteiro de Mickey Mouse e Tom & Jerry. Faria mais sentido ter Valentino Rossi no grid. Ele é grande e a F-1 precisa de um personagem como ele.

Em minha primeira vitória de 2010, farei alguma coisa para os fãs. Não será tão brilhante quanto o estilo de Rossi, mas será o suficiente para agradecer-lhes, – completou.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

“Não estamos sonhando com Q2 ou Q3”, diz Glock

Alemão reduz expectativas da Virgin na estreia, mas elogia construção do carro

Timo Glock, piloto da Virgin, afirmou que não vê nenhuma possibilidade de avançar para as fases seguintes do treino de classificação para o GP do Bahrein.

O alemão mostrou-se conformado com o fato de que o VR-01 está muito atrás das demais equipes e crê que levará tempo para que o carro possa sonhar com posições intermediárias.

Sendo realista, sei que a tarde de sábado será curta para mim. Tenho certeza. Somos realistas e não estamos sonhando com Q2 ou Q3, – disse.

Estaremos fora do ritmo, mas não tenho nenhum problema com este fato. Eu sabia o que esperar quando assinei com a equipe. Temos que trabalhar com isso.

Glock também elogiou o trabalho da Virgin ao desenvolver o carro no sistema CFD Computational Fluid Dynamics. O VR-01 foi totalmente projetado em um sistema informatizado, sem a utilização dos túneis de vento. Para o alemão, o trabalho mostrou-se eficiente.

Desde o início, os números têm acompanhado os dados que temos na pista. Tivemos uma pequena atualização em Barcelona e, novamente, os números eram exatamente como o CFD havia previsto. O grande pacote virá para o Bahrein.

Trabalhar no túnel de vento é algo clássico, mas um trabalho sempre é feito com o CFD. É surpreendente ver que fomos capazes de colocar na pista um carro que foi totalmente criado por este sistema, – encerrou.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Lições de Barcelona

Ico, repórter especial do Tazio conta suas impressões dos últimos testes

Os últimos quatro dias de testes da pré-temporada indicam que as equipes da F-1 chegam ao GP do Bahrein num equilíbrio nunca antes visto na categoria.

Apenas meio segundo separam o melhor tempo da semana, marcada por Lewis Hamilton no domingo, do 12° melhor tempo, o de Pedro de la Rosa feito na sexta-feira. Todos eles registrados com o carro leve, um sinal de como os treinos classificatórios devem ser emocionantes neste ano. Mas esse equilíbrio é real?

Rubens Barrichello ficou umas boas horas no domingo à noite, ainda no circuito de Barcelona, estudando as sequências de voltas dos adversários. E não foi o único a chegar à mesma conclusão.

Tem gente ainda guardando segredo. Algumas equipes foram muito bem em ritmo de corrida e acho que elas podem andar mais com pouca gasolina do que demonstraram. Temos um grupo muito equilibrado na frente, mas talvez a Ferrari e a Red Bull tenham algumas cartas na manga, – me disse o brasileiro. E talvez não sejam as únicas. A própria Mercedes, que mostrou uma boa evolução em Barcelona, pretende chegar com no Bahrein com um novo pacote aerodinâmico.

Depois de conversar com muita gente que esteve em Barcelona, deu para concluir que o quadro é seguinte: a Ferrari está um pouco à frente. Mas seguida de muito perto por um grupo grande, formado por Red Bull, McLaren, Mercedes, Force Índia, Williams e Sauber. Com tantas novidades e alguns segredos das equipes, porém, o circuito do Sakhir pode conhecer uma ordem completamente diferente.

Confira abaixo alguns detalhes do estágio em que cada equipe está:

McLaren (6.088 kms percorridos na pré-temporada) – A dupla de pilotos encontrou em Barcelona um bom acerto para deixar o carro equilibrado, o que se traduziu no melhor tempo da semana com Hamilton e num bom ritmo de corrida. A sensação é que o time vai brigar por pole positions, mas ainda precisa evoluir um pouquinho para acompanhar o ritmo de corrida de algumas das principais rivais.

Mercedes (6.322 kms percorridos na pré-temporada) – Depois de três semanas relativamente discretas, o time deixou uma boa impressão nos últimos testes. Ao contrário da McLaren, faltam alguns décimos de segundo para os ponteiros com o carro leve, mas o ritmo de corrida é bom. Um novo pacote aerodinâmico para o Bahrein, incluindo uma nova versão do difusor, pode ser a solução para isso.

Red Bull (4.945 kms percorridos na pré-temporada) – Em termos de performance, o carro da Red Bull é um dos mais fortes no grid. Mas os problemas de confiabilidade preocupam, principalmente um persistente vazamento de óleo do câmbio e falhas na bomba de combustível. Se resolver isso, é candidata ao título. Durante uma simulação de corrida na sexta-feira, nem Fernando Alonso com a Ferrari achou um meio de ultrapassar Sebastian Vettel.

Ferrari (7.353 kms percorridos na pré-temporada) – É apontada como a favorita para a vitória no Bahrein por muita gente. Os tempos das simulações de corrida mostram que o F10 é o melhor carro nas primeiras voltas com pneus novos. Depois o quadro geral se equilibra, mas no final da seqüência de voltas, com a borracha mais desgastada, os pilotos do time italiano voltam a ser os mais velozes. E há quem aponte que eles testaram com o tanque mais cheio que os adversários. Seria esta a carta na manga?

Williams (6.801 kms percorridos na pré-temporada) – Pela primeira vez a Williams pôde extrair o máximo do motor Cosworth e, junto com novidades no carro, isso bastou para que Rubens Barrichello e Nico Hülkenberg marcassem tempos competitivos. O time vai para o início da temporada como um sério candidato a surpreender. Ainda falta um caminho para os times da ponta, mas a experiência dos engenheiros e de Rubens Barrichello podem ajudá-los a subir rapidamente.

Renault (5.182 kms percorridos na pré-temporada) – O traçado de Barcelona mostrou que a distância entre-eixos mais curta do R30 só deve funcionar mesmos em circuitos muito travados. Além de andar claramente atrás do bolo dianteiro, o time ainda sofreu muito com problemas hidráulicos, prenúncio de uma temporada que se anuncia difícil para Robert Kubica e Vitaly Petrov.

Force India (4.097 kms percorridos na pré-temporada) – Se mantiver o ritmo apresentado em Barcelona, a equipe da Force Índia é candidata a pontuar com freqüência na temporada. O ritmo apresentado na simulação de corrida de Vitantonio Liuzzi foi muito bom; e a volta rápida de Adrian Sutil no domingo foi a quarta melhor da semana.

Toro Rosso (6.220 kms percorridos na pré-temporada) – O primeiro carro inteiramente construído em Faenza na era Toro Rosso encerra a pré-temporada com um bom potencial. Talvez ainda falte um segundo para as equipes da frente, mas o ritmo de corrida é forte e, com sorte e uma boa estratégia, dá para almejar alguns pontos nas primeiras provas.

Virgin (1.782 kms percorridos na pré-temporada) – O problema hidráulico que atrapalhou em Jerez voltou a assombrar em Barcelona, deixando o carro da equipe muito tempo na garagem. Mas o time encerrou o último dia de testes com a impressão de tê-lo solucionado. A busca por performance vai começar agora, com a introdução de um novo pacote aerodinâmico já no Bahrein, onde o objetivo vai ser chegar ao final da prova e acumular experiência.

Lotus (2.852 kms percorridos na pré-temporada) – Como a Virgin, a outra novata ainda está distante das equipes estabelecidas na F-1. Faltam cerca de 4 segundos para os primeiros e Mike Gascoyne prometeu diminuir isso para 3,5s no Bahrein. O T107 apresentou uma boa resistência e o time completou uma importante quilometragem em duas semanas de testes, mas vai ser um ano de duro aprendizado para a equipe.

Sauber (5.111 kms percorridos na pré-temporada) – Os testes de Barcelona mostraram que é uma das equipes do pelotão intermediário com chances de surpreender. O problema da Sauber no momento está na falta de performance quando o carro está mais leve. Em ritmo de corrida, o time suíço parece capaz de acompanhar a turma da frente.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Luis Fernando Ramos - De Viena - Foto: Google

Massa rechaça favoritismo e prevê Mundial acirrado

Piloto coloca Ferrari no grupo das favoritas, mas descarta vantagem da equipe

Em entrevista coletiva após os treinos de Barcelona, Felipe Massa fez um balanço da pré-temporada 2010 e comentou sobre o resultado do dia de hoje. O piloto da Ferrari terminou este domingo com a terceira melhor marca, atrás de Lewis Hamilton, da McLaren e Red Bull de Mark Webber.

– Se chegarmos na primeira corrida e a McLaren estiver na frente, poderemos dizer que eles trabalharam melhor do que todos. Mas, se olharmos a classificação de hoje, é verdade que houve momentos diversos.

– Alguns faziam uma volta de classificação, houve carros que melhoraram à tarde, sendo que à tarde estava melhor do que de manhã porque havia muito vento e a pista não estava boa.

– Se olharmos os cinco, seis primeiros carros da classificação, eles estão em 0s2, 0s3, o que quer dizer que estão todos competitivos. Estou muito contente com a volta que fiz, estou contente de como a máquina trabalhava, tanto durante a classificação como quando a tínhamos mais gasolina. Muitas máquinas fizeram um bom trabalho para a primeira corrida, mas o que é importante é que somos um desses.

Para o vice-campeão de 2008, embora a maioria dos pilotos tenha colocado a Ferrari como equipe a ser batida no início de 2010, o campeonato será acirrado. Além de Ferrari, McLaren, Red Bull e Mercedes, Massa colocaria também na disputa por vitórias Williams e Force India.

– Eu não aponto a Ferrari como a favorita. Eu aponto a Ferrari na luta por vitórias, na luta por brigar pelo campeonato. Isso eu apontaria pelo que eu guiei, pelo que eu acompanhei do primeiro teste até agora. Eu espero realmente que seja a favorita, mas no momento é impossível dizer, ainda mais quando vimos pela primeira vez mais ou menos quem tava com gasolina parecida e a gente viu muitos carros competitivos. Eu apontaria que tem bastante equipes com chances de vencer corridas.

Desde a estréia da Ferrari F10, em Valência, Massa atribui as evoluções do carro até então à carga aerodinâmica.

– A gente tem mais downforce, que é onde a gente trabalha mais pra melhorar o carro. O que a gente trouxe de novo de Jerez pra cá melhorou. A gente sentiu um carro melhor de guiar, então, devagarzinho, a cada treino, a cada corrida, é importante trazer coisa nova pra melhorar o carro e chegar sempre melhor a cada corrida.

Seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, declarou que a Ferrari de 2010 é o melhor Fórmula 1 já guiado por ele. Já Massa adotou a cautela ao comparar o modelo deste ano aos outros nos quais ele já competiu.

– Com certeza eu já guiei muitos carros bons na Ferrari. Espero dizer isso ao fim do ano, não agora.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google

Di Grassi: Vejo a Virgin pronta para a estreia

Piloto se diz satisfeito com nível da equipe, embora veja necessidade de evolução

Após encerrar sua primeira pré-temporada como piloto oficial na F-1, Lucas di Grassi falou ao Tazio no circuito de Barcelona sobre as expectativas da Virgin para a corrida no Bahrein.

Mesmo considerando a equipe pronta para começar a temporada, di Grassi novamente foi cauteloso e declarou que ainda é preciso evoluir.

Para a primeira etapa do Mundial de 2010, o estreante brasileiro acredita que a equipe tem uma boa base para o início do trabalho ao longo do ano.

Preparação da Virgin para o Bahrein

Considero a Virgin pronta pra começar em Bahrein. A gente sabe que tem muito o que evoluir ainda, tanto do lado de equipe como do carro, performance, durabilidade, confiabilidade do carro. Mas acho que depois desses dias a gente conseguiu resolver vários problemas que a gente tinha e conseguiu evoluir o carro, também da melhor forma possível. Eu acho que a gente chega em Bahrein com uma boa base pra começar. É o que a gente esperava de uma equipe nova que fez um carro em seis meses, um carro super complexo, uma das máquinas mais complexas que existem num carro de Fórmula 1. Então, estou feliz com o momento que a Virgin está agora.

Evoluções já feitas

A gente conseguiu acertar pelo menos um set up razoavelmente básico que a gente conseguiu achar principalmente aqui em Barcelona, que é uma pista em que a gente vai correr. Isso já é um começo pra gente. A gente tem os números do CFD, que o carro foi feito inteiro em CFD e muita gente tinha dúvida se no carro iria representar o que aparece nos computadores, e o que a gente vê nos computadores é o que está acontecendo em pista. A gente sabe que falta downforce pra chegar nas equipes de ponta, a gente sabe que tem muitas coisas da área da mecânica que precisam melhorar pra chegar nas equipes de ponta. Sabemos do que é preciso pra evoluir grandes passos, mas não tivemos tempo até agora. Pro Bahrein a gente tem uma boa base pra começar. Não estamos aqui pra ganhar o campeonato mundial, estamos aqui pra começar nosso trabalho. E agora a gente está com uma boa base pra começar.

[Fonte: tazio.uol.com.br] - Autor: Da Redação - Foto: Google